O ex-presidente Michel Temer avalia que o presidente Jair Bolsonaro pode tentar dar um golpe a fim de não aceitar o resultado de eventual derrota eleitoral no ano que vem. Na visão de Temer, seria uma reação parecida com a do ex-presidente Donald Trump, que contestou a vitória de Joe Biden e incentivou a invasão do Congresso americano em 6 de janeiro.

Os ex-presidentes Lula e Fernando Henrique Cardoso defendem que o PT e o PSDB fortaleçam os laços com militares legalistas e ex-bolsonaristas arrependidos, como o general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz. Temer, que tem boas relações com as Forças Armadas, também acredita que o caminho é prestigiar os militares da ativa e da reserva que resistem a tentações golpistas.

Em resumo, os três ex-presidentes consideram que é melhor não esticar a corda, que seria tudo o que Bolsonaro desejaria para tentar quebrar o período democrático que o Brasil vive desde 1985, quando acabou a ditadura militar de 1964.

O encontro entre Lula e FHC no início de maio foi um ato importante para valorizar a política, atividade demonizada pela Lava Jato e setores da imprensa nos últimos anos. Bolsonaro é resultado direto da negação política, costuma dizer Lula. Hoje, FHC concorda com ele.

 

Venceu uma batalha

Ao livrar o general Eduardo Pazuello de punição por ter ido a um ato político, o que é proibido pela Constituição e o regulamento do Exército, Bolsonaro tenta vender a ideia de que teria o controle das Forças Armadas para um eventual golpe. Falso.

A decisão do Alto Comando do Exército desagradou a Marinha e a Aeronáutica. O perdão a Pazuello também contrariou setores do próprio Exército, da ativa e da reserva. Bolsonaro ganhou uma batalha ao passar a mão na cabeça de Pazuello, mas não venceu a guerra.

 

Fonte: UOL
Foto: Reprodução